Redação Dissertativa


SOMOS ASSIM TÃO VULNERÁVEIS?

Fonte: Gazeta do Povo, Samarah Perszel de Freitas


Após o lastimável acidente ocorrido em Santa Maria e que comoveu a sociedade brasileira, ouço uma pergunta recorrente no consultório: somos assim tão vulneráveis? Será que todos os planos de uma vida podem em um segundo não significar nada? Esses e outros questionamentos vêm associados a situações de risco extremo, como acidentes, catástrofes naturais, assaltos e outras formas de violência urbana. Tais situações evidenciam a impotência humana e desconstroem a sensação de estabilidade que possuímos, causando um profundo sentimento de desamparo e desesperança na vida.

Quais são as possíveis consequências emocionais suscitadas em decorrência da exposição direta ou indireta a situações de risco? Durante a vivência de uma situação traumática, são esperadas reações emocionais intensas e crises. Entretanto, a percepção individual sobre a situação vivida, a capacidade de adaptação às mudanças e acompanhamento precoce auxiliam na prevenção de transtornos mais sérios que costumam surgir após um evento traumático.

Segundo a Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde, conhecida também como Classificação Internacional de Doenças (CID 10), o quadro de Reação Aguda ao Estresse (RAE) se caracteriza principalmente por medo, horror, ansiedade intensa, sentimentos de desconexão e irrealidade, ausência de resposta emocional e dificuldade para reconhecimento de ambiente. O RAE aparece poucas horas após a situação de risco e, se devidamente acompanhado, os sintomas diminuem significativamente ou desaparecem nos 30 dias seguintes.

No entanto, na falta de acompanhamento do RAE, o quadro pode evoluir para o Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT), que se caracteriza por sintomas semelhantes ao RAE, somados à revivência persistente do trauma por meio de lembranças, imagens, cheiros, sons e pesadelos. Também podem surgir medos exagerados, como medo de sair de casa ou de frequentar lugares públicos; sentimentos de depreciação da autoimagem; percepção negativa da vida; perda do interesse em atividades que antes eram prazerosas, irritabilidade e crises de choro.

Diversas pesquisas descrevem que os sintomas do TEPT podem ter duração curta (meses) ou prolongada (anos após o evento traumático), sendo comuns em profissionais que atuam constantemente em áreas de risco ou estresse, como serviços de emergência civis e militares. As pesquisas sugerem ainda que, ao receber apoio emocional e enfrentar a situação de crise, o indivíduo ativa seus próprios recursos, recuperando a estabilidade emocional.

Ao deparar-se com uma situação de risco que desencadeia uma crise, a pessoa descobre que seus efeitos nem sempre são apenas negativos. Este período, embora intenso, promove uma profunda reflexão sobre a vida e aumenta a capacidade de resiliência (flexibilidade e adaptação diante das mudanças), sendo considerado por muitos uma oportunidade de mudança significativa quanto à percepção da vida e uma oportunidade de renascimento.

Fim

Voltar ao Índice 2

Redação dissertativa 780: Tema: serviços de emergência civis e militares.Tópicos: redação dissertativa pronta, situações de risco extremo, acidentes, catástrofes naturais, assaltos, violência urbana, desamparo, estabilidade emocional, capacidade de adaptação às mudanças, estresse, medo, horror, ansiedade intensa, sentimentos de desconexão e irrealidade, ausência de resposta emocional, dificuldade para reconhecimento de ambiente, sentimentos de depreciação da autoimagem; percepção negativa da vida, perda do interesse em atividades que antes eram prazerosas, irritabilidade, crises de choro.



Qualquer texto, publicado nesta seção, visa a, tão somente, servir de modelo de redação dissertativa para alunos, pessoas que se preparam a um vestibular ou concurso, ou mesmo para aquelas cujo objetivo é o seu deleite e aprendizagem da arte de redigir. Portanto, os temas não se evidenciam pela cronologia, mas sim como paradigmas de exposição de ideias e opiniões. Assim, uma redação dissertativa, que se refere a um assunto desatualizado, pode ser um excelente exemplo para se redigir sobre o respectivo tema mesmo em outra época.