Redação Dissertativa


OS OUTROS CUBANOS

Fonte: Zero Hora, Marcos Rolim


A polêmica sobre o programa Mais Médicos do governo federal envolve temas complexos e exige conhecimentos específicos em gestão pública de saúde. O tom em que o debate está sendo proposto é, no todo, improdutivo e só irá alimentar posições sectárias, sem compromisso com o interesse público. A situação seria melhor se alguns veículos influentes da mídia brasileira fizessem sua obrigação: informar.
Em sua edição nº 1.620, de 20 de outubro de 1999, a revista Veja publicou uma matéria cujo título era: “Doutores Cubanos: doentes do interior são atendidos por médicos cubanos por falta de brasileiros”. Os leitores foram então informados que o hospital de Arraias, um pequeno município no interior de Tocantins, permaneceu fechado por quatro anos. O motivo, diz a revista, era “bizarro”: em que pese os bons salários oferecidos, nenhum médico queria “se aventurar por aquele fim de mundo”. Então, o hospital foi aberto e o “milagre”, diz a matéria, veio de Cuba. O município de Arraias conseguiu importar cinco médicos cubanos. O caso não era isolado e, segundo a revista, havia “muitos municípios que nem aparecem no mapa”, onde serviços de saúde só passaram a funcionar “após o desembarque das tropas vestidas de branco de Cuba”. A matéria informa que, naquele ano,166 médicos cubanos trabalhavam em regiões muito pobres em Roraima, Pernambuco e Acre e termina com a seguinte observação: “Os cubanos são bem-vindos, mas existe um problema. A contratação destes médicos é irregular perante as leis do Brasil. Eles precisam da revalidação do diploma numa universidade brasileira para atuar no país. Com base nessa desculpa burocrática, o Conselho Federal de Medicina denunciou as contratações ao Ministério Público pedindo o cancelamento dos convênios. ‘Não somos xenófobos, mas não há motivos para trazer médicos de fora e tirar o emprego dos profissionais daqui’, diz Edson de Oliveira Andrade, presidente da entidade. O doutor Andrade e seu douto conselho deveriam explicar então porque faltavam médicos nas cidades miseráveis que agora estão sendo atendidas pelos cubanos”.
Recentemente, matéria da revista Veja sobre o programa Mais Médicos do governo federal, assinada por Nathalia Wat, trouxe o seguinte título: “Por que a importação de médicos cubanos vai inundar o Brasil com espiões comunistas”. O texto inacreditável e que parece ter saído da caderneta de um membro do Comando de Caça aos Comunistas da década de 60, afirma que de cada cinco médicos cubanos exportados, um é espião do regime. “Deixar o Partido dos Trabalhadores comandar a política externa dá nisso”, conclui a revista (?). A ausência de médicos brasileiros em pequenas cidades deixou de ser um problema para a revista e os médicos cubanos não são mais bem-vindos, mas uma ameaça.

Fim

Voltar ao Índice 2

Redação dissertativa 972: Tema: médicos cubanos.Tópicos: redação dissertativa pronta, gestão pública de saúde, redação dissertativa sobre doutores cubanos, doentes do interior, médico brasileiro, hospital, fim de mundo, redação dissertativa sobre serviços de saúde, saúde regiões pobres, cubanos bem-vindos, revalidação do diploma de médico, universidade brasileira, medicina no Brasil, médicos xenófobos, redação dissertativa sobre médicos de fora, cidades miseráveis, importação de médicos cubanos, espiões comunistas, política externa, redação dissertativa sobre saúde em pequenas cidades.



Qualquer texto, publicado nesta seção, visa a, tão-somente, servir de modelo de redação dissertativa para alunos, pessoas que se preparam a um vestibular ou concurso, ou mesmo para aquelas cujo objetivo é o seu deleite e aprendizagem da arte de redigir. Portanto, os temas não se evidenciam pela cronologia, mas sim como paradigmas de exposição de ideias e opiniões. Assim, uma redação dissertativa, que se refere a um assunto desatualizado, pode ser um excelente exemplo para se redigir sobre o respectivo tema mesmo em outra época.